Use seus dados do Meu Rotary
    
  Lembrar     

Mulheres em Rotary

Refletindo os hábitos existentes na sociedade daquela Chicago do início do século 20, por muitos anos o Rotary foi uma entidade exclusivamente masculina, e efetivamente muito conservadora, especialmente se comparada à grande pluraridade que apresenta hoje. Somente nos anos 80 é que as mulheres passaram a fazer parte efetivamente da organização como associadas. 
 
Não foi um processo fácil. A primeira tentativa aconteceu ainda em 1950, quando um clube indiano propôs a remoção da palavra "masculino" dos estatutos prescritos para Rotary Clubs. Outras tentativas de alteração foram efetuadas sem sucesso nos anos 60 e 70, pois encontravam resistência em um modelo de sociedade ainda segmentado, onde os homens preferiam manter-se em seu universo, e até as mulheres (esposas de rotarianos) preferiam que os clubes não tivessem a presença feminina, provendo-lhes maior tranquilidade. 
 
Entretanto a pressão da sociedade era crescente, com cada vez mais mulheres ocupando posições de destaque, e diversos Rotary Clubs em vários países, incluindo do Brasil e dos Estados Unidos, seguiam apresentando emendas aos estatutos para remover o impedimento ao ingresso das mulheres em seu quadro associativo, mas ainda sem conseguirem "dobrar" o conservador Conselho de Legislação do Rotary International.  
 
Até que um clube, o Rotary Club de Duarte, na Califórnia, Estados Unidos, decidiu desobedecer a norma estatutária e passou a admitir mulheres em seu quadro associativo. Mas por esta violação o clube acabou desligado do Rotary International em 1978 (ao ser desligado o clube deixa de ser um "Rotary Club"). 
 
Mas o clube da Califórnia não aceitou a desfiliação, e recorreu à justiça. Em um primeiro momento a Suprema Corte da Califórnia manteve o veto às mulheres, em uma batalha jurídica que durou de 1983 a 1986, e o caso foi para a Suprema Corte dos Estados Unidos, que então, em 1987, derrubou o veto e qualquer impedimento ao ingresso das mulheres nos clubes.  
 
O Rotary Club de Marin Sunrise, na Califórnia (antigo Larkspur Landing) tornou-se o primeiro clube a admitir mulheres depois da decisão da Suprema Corte americana. Sylvia Whitlock, do Rotary Club de Duarte, foi a primeira mulher a ser presidente de um Rotary Club. 
 
Para se adequar à determinação, que estava acontecendo também em outros países, no Conselho de Legislação de 1989 o Rotary International então finalmente alterou seus estatutos removendo qualquer tipo de barreira para clubes de todo o mundo.  
 
Refletindo o sucesso das mulheres em outras áreas da sociedade, as mulheres também foram conquistando seu espaço no Rotary. Em 1995 oito mulheres se tornam Governadoras de Distrito; em 2005 Carolyn E. Jones começa seu mandato como a primeira mulher curadora da Fundação Rotária; e em 2008 Catherine Noyer-Riveau torna-se a primeira mulher a fazer parte do Conselho Diretor do RI.  
 
O Distrito 4420, criado em 1991 a partir da divisão do Distrito 461, acompanhou a crescente participação das mulheres em seus quadros associativos, e na presidência de diversos de seus clubes. No ano rotário 2015-2016, Maria Luiza Mendaçolli Zago se tornou a primeira governadora do Distrito 4420. 
 
Hoje existem 247.000 rotarianas no mundo, cerca de 20% do quadro associativo. No Brasil são cerca de 13.000 rotarianas, aproximadamente 23% do total de rotarianos brasileiros. 
 

 

As ROTARY-ANA’S e a Família Rotária

 

Ann Gundaker
Uma história curiosa marcou o início da participação das mulheres no Rotary, e desta forma das famílias. Era 1914, não existiam os clubes de jovens, e ainda estava longe o ano em que as mulheres poderiam ingressar nos clubes. 
 
A Convenção Internacional seria realizada em Houston, no Texas, EUA, e um trem especial percorria o trecho desde São Francisco levando rotarianos para participarem do evento. Era muito raro naquela época esposas acompanharem eventos rotários, e no início da viagem a única mulher a bordo era Ann Brunnier, esposa do rotariano Bru Brunnier. Conforme os rotarianos iam embarcando no trem, a Sra. Ann era apresentada como “Rotary’s Ann”, ou a “Ana do Rotary”, apelido que logo tornou-se “Rotary Ann”, algo como “Rotary-Ana”, em tradução livre.  
 
Como parte da promoção da convenção seguinte, pleiteada para São Francisco, os rotarianos californianos no trem estavam compondo músicas para serem apresentadas em Houston, e um canto foi composto para a “Rotary-Ana”. Ao chegarem em Houston, na comissão de recepção estava o rotariano Guy Gundaker, da Filadélfia, cuja esposa também chamava-se Ann. Neste momento, alguns rotarianos começaram a cantar a música composta no trem, e as duas senhoras, Ann Brunnier e Ann Gundaker, desfilaram ao som da música sobre os ombros de seus esposos. 
 

Bru & Ann Brunnier
 
O apelido pegou, e naquela convenção todas as esposas de rotarianos foram chamadas de “Rotary-Ann”, e desde então, por décadas, o apelido carinhoso foi adotado para as esposas dos rotarianos. Uma curiosidade adicional foi que nove anos depois da viagem de trem Guy Gundaker se tornou Presidente de RI, e em 1952 também Bru Brunnier foi Presidente de RI, e assim as duas “Rotary Ann’s” originais se tornaram “primeiras-damas” do Rotary International. 
 
Mas o apelido acabou dando origem a uma nova organização. Em Oklahoma, em 1928, foi criado por Mamiee Lee, esposa do rotariano Virgil Browne, o “Rotary Ann Club”, um clube auxiliar composto pelas esposas dos rotarianos. O clube tinha como objetivo promover o companheirismo das famílias dos rotarianos, e assistir os clubes em seus projetos comunitários e na promoção dos valores do Rotary. Esse clube deu origem a milhares de outros similares por todo do mundo, e às nossas Casas da Amizade e ASFARs (Associações de Famílias de Rotarianos) - Saiba mais sobre essas entidades AQUI
 
Eram outros tempos, mas o Rotary evoluiu junto com a sociedade. As mulheres passaram a fazer parte do Rotary como associadas, o nome “Rotary Ann” deu lugar a “Spouse” (cônjuge) e mais recentemente a “Partner” (parceiro). Assim, de forma plural, os parceiros dos rotarianos ou rotarianas passaram a fazer parte dos clubes auxiliares e da família rotária, e desta forma passaram a participar da vida de seus clubes.